Número total de visualizações de página

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Intuição e ciência

Segundo O Público,
Uma equipa de cientistas britânicos mostrou que as zonas que se activam no cérebro de um matemático quando ele acha que uma fórmula é bela são as mesmas que se activam quando qualquer um de nós acha belos um quadro ou uma peça musical.
Imediatamente vi na notícia a confirmação da genial intuição de Álvaro de Campos, que quase um século antes proclamou que o binómio de Newton é tão belo como a Vénus de Milo.

3 comentários:

Um Jeito Manso disse...

Muitas vezes tenho comparado a matemática à poesia. A mesma depuração, a mesma concisão, o essencial, a pureza inicial.

Fiquei surpreendida por ver que há qualquer coisa de verdade no que me parecia ser uma intuição minha.

O que é engraçado é que é frequente os matemáticos e os físicos gostarem de poesia mas o contrário já me parece raro (penso que poucos serão os poetas, os que não provêm das áreas referidas, que apreciem a beleza da matemática).

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

obrigado pelo pelo outro braço
da Vénus de MILO.
cumprimentos poéticamente
matemáticos .
evelyn