Número total de visualizações de página

terça-feira, 23 de junho de 2015

Correr a foguetes

Muito corri eu atrás de foguetes. Pelas canas. Desempenadas, com a grossura certa, davam óptimas flechas, para o que bastava cortá-las e fazer entalhe na extremidade mais grossa. O arco era de varetas de guarda-chuva velho, ou de vara de vergueiro -- o castanho seria melhor, mas eu era demasiado franzino para o armar.
Em dia de festa, logo ao ribombar dos morteiros da alvorada, sem ligar à roupa "melhor" que a minha mãe me obrigava a vestir, sem amor aos sapatos domingueiros que esfolava pelas vinhas, eu, os outros garotos da aldeia, lançávamo-nos pelas encostas  afora, saltávamos ribanceiras, tombávamos em barrancos para logo nos erguermos, atravessávamos moitas de tojo e silvados, na sofreguidão de nos apoderarmos do troféu que descia oblíquo, ainda fumegante, a cheirar a pólvora, -- É meu! É meu, que o vi primeiro! É meu, que eu é que o agarrei! Outro estoiro, outra cana a dardejar oblíqua interrompia a briga, lá corríamos, cada qual a querer juntar maior braçada, -- Para que queres tu isso, moço?, perguntava desdenhosa mulher incomodada com as nossas correrias, tropelias, gritarias, farta de nos ver guerrear, rebolando pelo chão de ervas secas e carraças por uma porcaria de uma cana -- não sabia ela, na sua ignorância analfabeta, que a riqueza é subjectiva, tem o valor que a imaginação de cada um lhe dá.    
Garotos, éramos. Os meninos da aldeia não corriam pelos campos, e sorriam com soberba da fortuna que exibíamos às molhadas, eles que não sujavam a roupa de ver a Deus, não esfolavam sapatos, não lhes rompiam sequer as meias-solas -- e não eram acolhidos, quando ao anoitecer chegavam a casa esbaforidos, esbarrigados, por tareia furiosa, de tamanco ou verdasca, que com a mão dói também a quem bate.
Então, naquele tédio de Julho, lembrou-se o meu primo de formarmos quadrilha como a do Robim dos Bosques -- afinal, também nós éramos bons ladrões, de pêssegos e ameixas, também nos fugíamos do Sherife de Nottingham, encarnado no dono enraivecido que nos perseguia tanto quanto os anos lho permitiam e depois se queixavam à guarda, -- Era ele e um mais pequenico que não conheci..., obrigando a mãe a pagar o estrago.
Desfila a nossa tropa pé descalço pelo adro da igreja, arcos, aljavas repletas de flechas, logo outros de melhor condição nos ridicularizam primeiro, depois, invejosos, formam bando rival. E nos dias seguintes entrámos em guerra, com batalhas famosas injustamente esquecidas pela História, como a do Forte Rolher, que decidiu a contenda e será oportunamente relatada para a salvar do imerecido esquecimento.

Sem comentários: