Número total de visualizações de página

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Serões na Província


Assobiava o vento nas empenas, à procura de friesta por onde entrar, a querer aquecer-se também ele ao borralho, zangado empurrava chaminé abaixo a fumaça das vides, canas,  rama de pinheiro, dançavam hipnotizadoras as chamas,
-- Põe- me um casaco nessas costas!
 E nós, a atirar caruma a arder para a fogueira: -- Foguetes!
-- Quem brinca com o lume mija na cama!
-- Qual é a coisa, qual é ela...
Trás! Rato enforcou-se na ratoeira. Outros virão, há ainda dois buracos disponíveis, dentro aromático toucinho frito, isca irresistível,
-- Verde foi o meu nascimento, de luto me vesti...
-- Sou eu, responde a avó,
-- Não é nada, é a azeitona, refuta a minha irmã, com a certeza das crianças.

A avó, despertada da sonolência, pega na cafeteira enfarruscada, prepara caneca de água com açúcar, conta as histórias de sempre, 
-- Joãozinho, disse a madrasta, que era bruxa, vê se o forno está bem quente,
(E queria que ele metesse a cabeça no forno para o empurrar e queimar vivo),
-- Parece-me que não, venha vossemecê ver...
A bruxa foi, o Joãozinho, quando a apanhou com a cabeça na porta do forno, zás, empurrou-a com toda a força, ajudado pela irmã, trancaram a porta do forno e a bruxa foi queimada viva. -- Bem feito, não foi? A malvada queria matar os enteados, pobres criancinhas!
-- E os animais foram viver para dentro de casa. Logo nessa noite entrou ladrão. O cão ladrou ão ão e mordeu-lhe numa perna, o gato soprou ffffff e arranhou-lhe as mãos, o burro zurrou i-nó-i-nó e pregou-lhe uma parelha de couces nas ventas, o galo cacarejou córócócó e bicou-o na cara, o ladrão fugiu mordido, arranhado, picado, escouceado. Bem feito para ele, não foi? Que não tinha nada que ir roubar.
(A justiça era então expedita e justa),
-- Rebola cabacinha, rebola cabação,
Não vi velhinha nem velhão,..
-- Aquece-te bem e corre para a cama!
As camisas de milho que enchiam o colchão afundavam-se em cova aconchegadora, eu tiritava sob cobertor de papa e mantas de trapos, pela madrugada, em sonhos, aflito para urinar, via cântaro esquecido junto à fonte, ah com que alivio, com que prazer pela malvadeza, lhe mijava para dentro!
E acordava com palmadas maternas, não pela partida pregada à velha, apenas por ter outra vez mijado na cama... 
(Eu era feliz, e ninguém estava morto
Álvaro de Campos, Aniversário)

Sem comentários: