Número total de visualizações de página

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Lá vamos nós outra vez

Jugoslávia. Iraque. Afeganistão. Líbia. Todos os outros países de que me esqueci. Sempre com bons pretextos, que depressa se verificaram falsos. Não tenho nenhuma dúvida de que os povos de todos esses países, e os vizinhos, estão pior do que antes das intervenções 'bem intencionadas'. De boas intenções está o inferno cheio.
O ímpeto justiceiro dos americanos e dos media que por eles ladram não cessa. Junta-se um Hollande que quer "punir" — foi o verbo que utilizou — o regime sírio. É difícil uma potência colonial como a França ultrapassar os traumas do passado. Sobretudo quando, como hoje se soube, o desemprego em França continua imparável.
Revolta-me o massacre de inocentes, o uso de armas químicas ou de outras contra a população indefesa. Mas não alinho em maniqueísmos, de um lado os bons americanos e seus amigos, do outro os seus inimigos, os maus. Estou farto de ser enganado. O homem é a mesma merda qualquer que seja o seu partido na guerra, todas as guerras são horríveis e as piores são as guerras civis, disse-o um francês sábio, creio que Descartes.  E a qual das partes mais aproveita o uso do  gás,  sabido que é que os vários grupos muçulmanos não hesitam em massacrar os seus para conseguir intervenção estrangeira?
Alegrem-se os media, podem até mandar o Rodrigues dos Santos fazer reportagens em directo de Damasco, terão com que encher os telejornais que preenchem os jantares em família. Alegrem-se os fabricantes de armas, os militares, os políticos, que desviarão as atenções da sua incompetência para governar os respectivos países, da sua incapacidade para cumprir as promessas eleitorais. Alegrem-se as boas consciências, vendo em directo os maus a serem punidos.
Mas vejam se não se esquecem, e se mais tarde não lamentam as atrocidades dos bonzinhos que colocaram no poder.
ADENDA
Diz-me a Cláudia no Facebook:
Nem de propósito, terminei hoje de ler estas 20 reportagens sobre a Croácia e acho que ficam aqui bem: http://www.pierreroux.com/photographe/prefacecroatie.html.

2 comentários:

Tony Montana disse...

Excelente post, concordo desde a primeira palavra até ao último ponto final, isto é mesmo um argumento usado e rebuscado, só surpreende quem ainda vive num mundo de faz de conta, uma última palavra para os jornalistas, outrora uma das profissões mais respeitadas e hoje em dia cada vez mais odiadas, em parte pelo facto de cada vez mais do lado de uma ideologia dominante, ao serviço de interesses politico-económicos, que mais uma vez apenas quem vive num mundo de faz de conta não se apercebe.

Jose Catarino disse...

É isso mesmo. Somos manipulados e não reagimos. Talvez por faltar a memória. E os media, que deviam analisar, reflectir, tender para a imparcialidade, são os primeiros a gritar Mata, esfola!
Sem imprensa digna desse nome, sem opinião pública que use a dúvida metódica, lá vamos nós, o Ocidente, outra vez, cantando e rindo, levados, levados sim... como na canção da Mocidade Portuguesa. Sempre levados.
E isto pode acabar mal para nós. É mais fácil começar as guerras do que terminá-las, disse-o aquando das invasões do Afeganistão e do Iraque. Repito-o agora.