Número total de visualizações de página

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Falta o açúcar

E depois? Não lhe chamavam o "veneno branco"? Não era, ainda há dias, responsável por boa parte das doenças "da civilização" -- obesidade, cárie, diabetes...? Preocupante seria se nos faltasse o vinho, como a Maria Parda, que
vio as ruas de Lisboa com tão poucos ramos nas tavernas, e o vinho tão caro e ella não podia passar sem elle:

Ó rua da Mouraria, 
Quem vos fez matar a sêde 
Pela lei de Mafamede 
Com a triste d'agua fria? 
Ó bebedores irmãos, 
Que nos presta ser christãos, 
Pois nos Deos tirou o vinho? 

Gil Vicente, Pranto de Maria Parda

2 comentários:

Carlos Maduro disse...

Meu caro, é do novo? Já limpou?
Olhe, telefonei esta semana à minha tia, fizemos em conjunto, lá para os lados do Douro, contando já com eestes nevões, e ela diz que o raio do vinho ainda não limpou.
Já lhe meteram umas merdices que eu detesto, mas mesmo assim, parece que nada. Passa o S. Martinho, passa a consoada, e a malta sem beber uma golada.
Diga-me lá qual é o seu segredo.

José Cipriano Catarino disse...

O vinho amadurece no depósito, à espera de trasfega logo que eu tenha tempo. Mas a água-pé limpou, está uma delícia, leve (nove graus), fresca, saborosa e sem as tais merdices. Diz-se que o vinho limpa com o frio. Se assim for, já deve estar cristalino. Pena vivermos longe. O vinho e a literatura sempre andaram de braço dado.
Um abraço.